Os 20 princípios básicos da criação.

por Raymond Oppenheimer

raymond oppeinhemer

01. Não faça um uso indiscriminado do Outcrossing. Um Outcrossing ponderado pode ser de grande valor, um insensato pode produzir um conjunto de todas as faltas imagináveis da raça.

 

02. Não utilize o linebreding somente pelo fim de fazer o Linebreding. O Linebreding com tipos complementares pode trazer grandes recompensas; com os inapropriados significa atirar-se da cabeça para um desastre imediato.

 

03. Não acate os conselhos de quem sempre teve pouco êxito na criação. Se suas opiniões fossem para ter em consideração, o teriam de comprovar pelos seus resultados.

 

 

04. Não acredite na crença popular de que o irmão ou irmã de um grande campeão é tão bom para como este para criar. Para cada caso em que tal ocorre, existem centenas de casos em que não. Dependendo do animal.

 

05. Não atribua aos seus próprios animais virtudes que estes não possuem. O auto-engano é uma escala que fracassa.

 

06. Não crie com medíocres. A ausência de uma falta, não significa de modo algum a presença de sua correspondente virtude.

 

07. Não cruze em linhas dois caes em simultâneo; acabará por não fazê-lo em nenhum.

 

08. Não determine o mérito de um progenitor pela sua pior prole; todos os progenitores produzem prole de baixa qualidade por vezes.

 

09. Não permita que os sentimentos pessoais influenciem a sua escolha de um progenitor. O cão correto para sua fêmea é o cão correto, independentede quem o possua.

 

10. Não permita que a admiração por um determinado cão o cegue perante as suas falhas. Se o fizer, de imediato será uma vítima de auto-envenenamento.

 

11. Não cruze animais que possuam a mesma falta.Ao fazê-lo está à procura de problemas.

 

12. Não duvide de que é o cão pelo seu todo que conta. Se esquecer uma virtude enquanto procura outra, irá pagar por isso.

 

13. Não procure o cão perfeito para sua cadela. O cão ( ou cadela ) perfeito não existe, nunca existiu e jamais existirá.

 

14. Não se assuste por criar com cães que possuam faltas obvias, desde que tenham virtudes que o compensem. Uma ausência total de virtudes é, de longe, a maior de todas as faltas.

 

15. Não cruze tipos não complementários. A capacidade de com um olhar reconhecer o tipo, é o maior dom de um criador. Peça aos criadores com êxito que lhe expliquem este tema, não há outra maneira de o entender.

 

(Eu definiria tipos não complementários como os que têm as mesmas faltas e carecem das mesmas virtudes)

 

16. Não se esqueça da necessidade de preservar a qualidade da cabeça. Esta desaparece como um sonho se a esquecer.

 

17. Não esqueça que substância mais qualidade deve ser uma das suas aspirações. Qualquer tonto pode criar uma sem a outra.

 

18. Não esqueça que uma grande cabeça, com mais vigor, deve ser uma das suas aspirações. Muitos podem nunca conseguir criar ambos.

 

19. Não denigra a imagem de um Bull Terrier. Um tipo de beleza não é uma alegria para sempre, mas um grande Bull Terrier deve ser causa de orgulho e prazer estético para todos os verdadeiros amantes da raça.

 

20. Nâo fique satisfeito com nada que não seja o melhor. O segundo melhor nunca é o suficiente

Leave a Comment